Rede de Flu


Alerta de Spoiler

Esta anotação exclusiva de J.K. Rowling contém informação referente tanto aos sete livros quanto a novas informações. Se você ainda não leu todos os livros contidos na série, esta entrada pode conter informação capaz de estragar seu divertimento com relação a livros posteriores.

Em uso há séculos, a Rede de Flu, ainda que seja um pouco desconfortável, tem muitas vantagens. Primeiramente, diferente das vassouras, a Rede pode ser usada sem medo de quebrar as leis do Estatuto Internacional de Sigilo. Em segundo lugar, diferente da aparatação, há muito pouco risco de sofrer danos graves. E por último, pode ser usada para transportar crianças, idosos e enfermos.
Quase todos os lares de bruxas e bruxos estão conectados à Rede de Flu. Ainda que uma lareira possa ser desconectada usando um feitiço simples, para conectá-la é necessária a permissão do Ministério da Magia, o qual regula o serviço de Flu e evita que lareiras trouxas sejam conectadas por engano (ainda que se possam efetuar conexões temporárias em caso de emergência).

Além das lareiras domésticas, há umas mil lareiras por toda a Grã-Bretanha conectadas à Rede de Flu, inclusive as do Ministério da Magia e as de várias lojas e hospedarias mágicas. As lareiras de Hogwarts não costumam estar conectadas, embora tenha havido ocasiões em que umas ou mais tenham sido adulteradas, normalmente sem o conhecimento dos funcionários.

Ainda que geralmente sejam confiáveis, podem ocorrer falhas. Pronunciar o nome do destino de modo alto e claro ao entrar nas chamas Flu é às vezes difícil, devido às cinzas, ao calor e ao pânico. O caso mais famoso de desorientação acidental ocorreu em 1855 quando, depois de uma discussão particularmente desagradável com seu marido, a bruxa Violet Tillyman pulou no fogo da sala de estar e gritou, entre lágrimas e soluços, que queria ir à casa de sua mãe.

Várias semanas depois, sem panelas limpas na casa e com suas meias precisando urgentemente de lavagem, seu marido Albert decidiu que já era hora de que ela voltasse para casa, e foi à casa de sua sogra através da Rede de Flu. Para sua surpresa, ela declarou que Violet nunca chegou. Albert, um homem suspeito e um pouco valentão, enfurecido, invadiu e revistou a casa, mas parecia que sua sogra estava dizendo a verdade. Depois de uma campanha de cartazes e uma série de artigos no Profeta Diário, Violet ainda continuava desaparecida. Ninguém parecia saber onde ela estava e nem a tinha visto sair de nenhuma outra lareira. Durante vários meses depois de seu desaparecimento, as pessoas tinham medo de entrar na Rede de Flu, por receio de que simplesmente desaparecessem no ar. Entretanto, o tempo passou, as lembranças de Violet foram esquecidas e ninguém mais desapareceu, então a comunidade mágica continuou como de costume. Albert Tillyman voltou furioso à sua casa, aprendeu feitiços de limpeza e de reparos e nunca voltou a usar a Rede de Flu por medo de que lhe acontecesse o mesmo que à sua esposa.

Não antes de se passarem vinte anos, após a morte de Albert, foi que Violet Tillyman ressurgiu. Devido à forma incoerente como falou ao entrar na Rede de Flu, ela não saiu pela lareira de sua mãe, mas pela de Myron Otherhaus, um atraente bruxo que vivia em Bury St Edmunds. Apesar de Violet estar imersa em lágrimas, coberta de cinzas e com o aspecto manchado, foi amor à primeira vista quando ela tombou de sua lareira, e Myron, Violet e seus sete filhos viveram felizes para sempre.

Transcrição do áudio:
Vemos como Harry se dirige a lugares errados ao longo do livro, mas esses erros costumam ocorrer ao viajar pela Rede de Flu. O caso mais conhecido é de uma mulher chamada Violet Tillyman que em 1855, depois de discutir com seu marido Albert, entrou no fogo muito angustiada e disse “Quero ir à casa de minha mãe”, mas como estava soluçando, as coisas não saíram como o planejado. Albert, depois de duas semanas, percebeu que a casa estava ficando muito suja, entrou na lareira, dirigiu-se à casa de sua sogra e descobriu que Violet não estava lá. E ela não voltou a aparecer durante vinte anos. E só vinte anos depois, após a morte de Albert, Violet veio a público e revelou que tinha ido parar acidentalmente na casa de Myron Otherhaus, em Bury St Edmunds – um bruxo muito atraente – e ela apareceu com sete filhos.

Saiba de onde surgiu a inspiração para a Rede de Flu.

Transcrição do áudio:
“Floo” (Flu) veio de flue (fumeiro), que você encontra em uma chaminé. Mas não me pergunte o que exatamente é o fumeiro, porque não sei. Apenas sei que existe, mas não tenho certeza de sua serventia. Eu precisava de uma forma na qual os bruxos e bruxas jovens pudessem viajar, porque eu havia criado o Estatuto Internacional de Sigilo, o que foi inconveniente, então imediatamente tornou-se muito difícil para eles poderem viajar, especialmente longas distâncias, por meios mágicos. Assim, pensei que eles precisavam de algo muito discreto e assim surgiu a Rede de Flu, que era uma forma de ir de casa em casa sem nunca ser visto pelos trouxas. Mas era divertido e engraçado fazê-la um pouco difícil de usar, de modo que pudessem facilmente cometer um erro e acabar em outro lugar.

Traduzido por: Edymara Monte em 28/10/2013.
Revisado por: Mari Trevisan em 29/10/2013.
Postado por: Daniel Mählmann em 16/01/2014.