Remo Lupin


Alerta de Spoiler

Esta anotação exclusiva de J.K. Rowling contém informação referente tanto aos sete livros quanto a novas informações. Se você ainda não leu todos os livros contidos na série, esta entrada pode conter informação capaz de estragar seu divertimento com relação a livros posteriores.

Remo Lupin é o professor de Defesa contra as Artes das Trevas no terceiro ano de Harry em Hogwarts. Ele tem cabelo castanho claro, com alguns fios cinzas, e geralmente usa vestes gastas. Ele é amigável e popular entre a maioria dos estudantes.

Aniversário: 10 de Março.
Varinha: Cipreste e pelo de unicórnio, 26cm, maleável.
Casa de Hogwarts: Grifinória.
Habilidades Especiais: Excepcionalmente talentoso em Defesa contra as Artes das Trevas, lobisomem.
Parentesco: Pai bruxo, mãe trouxa.
Família: Esposa – Ninfadora Tonks, Filho – Ted Remo Lupin (Teddy).

Pais

Remo Lupin era o único filho do bruxo Lyall Lupin e sua esposa trouxa Hope Howell.

Lyall Lupin era um rapaz muito inteligente, porém tímido, que nos seus trinta anos tornou-se mundialmente conhecido como uma autoridade em Aparições Espirituosas Não-Humanas. Estas incluem poltergeists, bicho-papão e outras criaturas estranhas que, embora sejam às vezes fantasmagóricos na aparência e no comportamento, nunca estiveram vivos de verdade e continuam sendo algo misterioso até mesmo para o mundo dos bruxos.

Em uma viagem investigatória em uma densa floresta galesa onde um bicho-papão particularmente cruel devia estar espreitando, Lyall conhecey sua futura esposa. Hope Howell, uma linda menina trouxa que trabalhava num escritório de seguros em Cardiff, tinha pego um caminho mal aconselhado através do que ela acreditava ser um bosque inocente. Bicho-papão e poltergeists podem ser sentidos por trouxas, e Hope, uma pessoa particularmente imaginativa e sensível, estava convencida de que algo a estava observando por entre as árvores escuras. Eventualmente, sua imaginação se tornou tão ativa que o bicho-papão assumiu uma forma: um homem grande, mal encarado, indo em direção a ela rosnando e com as mãos estendidas na escuridão. Ao ouvir o grito dela, o jovem Lyall veio correndo por entre as árvores, transformando a aparição em um campo de cogumelos com um aceno de sua varinha. A aterrorizada Hope pensou, na sua confusão, que ele havia afastado seu suposto agressor, e as primeiras palavras dele para ela – “está tudo bem, era só um bicho-papão” – não fizeram nenhuma efeito nela. Ao perceber quão bonita ela era, Lyall fez a sábia decisão de não falar mais sobre bichos-papões, ao invés disso concordou que era um homem muito grande e assustador, e que a única coisa sensata a fazer era ele acompanhar Hope até sua casa para protegê-la.

O jovem casal se apaixonou, e nem a confissão envergonhada de Lyall, alguns meses depois, que Hope nunca esteve realmente em perigo, prejudicou o entusiasmo dela por ele. Para a alegria de Lyall, Hope aceitou seu pedido de casamento e se jogou animada para as preparações do casamento, completo com um topo de bolo de bicho-papão.

O primeiro e único filho de Lyall e Hope, Remo João, nasceu depois de um ano do casamento. Um menininho feliz e saudável, ele mostrou sinais de magia cedo e ambos os pais imaginaram que ele seguiria os passos do pai, frequentando a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts no devido tempo.

Mordida

Quando Remo tinha quatro anos, a quantidade de atividade das artes das trevas no país estava crescendo constantemente. Enquanto poucos já sabiam o que havia por trás dos ataques e aparições, a primeira ascensão de Lorde Voldemort ao poder estava em progresso e os Comensais da Morte estavam recrutando todos os tipos de criaturas das trevas para se unir a eles na sua busca para derrubar o Ministério da Magia. O Ministério convocou os serviços das autoridades em criaturas das trevas – até aquelas tão inferiores como bichos-papão e poltergeists – para ajudá-lo a entender e conter a ameaça. Lyall Lupin estava entre os convocados para se unir ao Departamento de Regulamentação e Controle das Criaturas Mágicas, que ele aceitou com prazer. Foi aqui que Lyall ficou cara a cara com um lobisomem chamado Fenrir Greyback, que foi trazido para o interrogatório sobre a morte de duas crianças trouxas.

O Registro de Lobisomens foi mal conservado. Lobisomens eram tão desprezados pela sociedade bruxa que eles geralmente evitavam o contato com outras pessoas; eles viviam no que eles chamavam de blocos e faziam o possível para evitar que eles fossem registrados. Greyback, que o Ministério não sabia ser um lobisomem, alegou ser nada mais que um mendigo trouxa que estava totalmente surpreso por estar em uma sala cheia de bruxos, e aterrorizado pela conversa sobre as pobres crianças mortas.

As roupas imundas de Greyback e a falta de varinha foram suficientes para convencer dois membros ignorantes e sobrecarregados de trabalho do comitê interrogatório que ele estava dizendo a verdade, mas Lyall Lupin não era enganado facilmente. Ele reconheceu alguns sinais reveladores na aparência e comportamento de Greyback e disse ao comitê que Greyback deveria ser mantido preso até a próxima lua cheia, que aconteceria somente vinte e quatro horas mais tarde.

Greyback sentou em silêncio enquanto Lyall foi ridicularizado por seus colegas membros do comitê (“Lyall, você só se mete com bichos-papão galeses, é nisto que você é bom”). Lyall, geralmente um homem bem educado, ficou bravo. Ele descreveu lobisomens como “sem alma, malvados, que não merecem nada além da morte”. O comitê mandou Lyall se retirar da sala, o presidente do comitê pediu desculpas ao mendigo trouxa e Greyback foi solto.

O bruxo que acompanhou Greyback para fora do interrogatório pretendia aplicar um Feitiço da Memória nele, para que ele pudesse esquecer que esteve dentro do Ministério. Antes que ele tivesse a chance de fazer isso, ele foi rendido por Greyback e dois cúmplices que estavam escondidos na entrada, e os três lobisomens fugiram.

Greyback não perdeu tempo em compartilhar com seus amigos como Lyall Lupin tinha acabado de descrevê-los. Sua vingança contra o bruxo que pensava que lobisomens não mereciam nada além da morte seria rápida e terrível.

Logo antes do aniversário de cinco anos de Remo Lupin, enquanto ele dormia tranquilamente em sua cama, Fenrir Greyback abriu a janela do quarto do menino à força e o atacou. Lyall chegou ao quarto a tempo de salvar a vida de seu filho, expulsando Greyback de sua casa com vários feitiços poderosos. Porém, dali em diante, Remo seria um pleno lobisomem.

Lyall Lupin nunca se perdoou pelas palavras que ele disse na frente do Greyback no interrogatório: “sem alma, malvados, que não merecem nada além da morte”. Ele repetiu o que era a visão comum de lobisomens em sua comunidade, mas seu filho era o que ele sempre foi – amável e inteligente – exceto pelo terrível período da lua cheia quando ele sofria uma transformação torturante e se tornava um perigo para todos à sua volta. Por muitos anos, Lyall escondeu a verdade sobre o ataque, inclusive a identidade do agressor, do seu filho, temendo a recriminação de Remo.

Infância

Lyall fez de tudo para encontrar uma cura, mas nem poções nem feitiços puderam ajudar seu filho. Desta época pra frente, a vida da família foi dominada pela necessidade de esconder a condição de Remo. Eles se mudaram da vila para a cidade, deixando o instante que rumores do estranho comportamento do menino começaram. Bruxas e bruxos próximos perceberam o quão fraco Remo se tornava quando a lua nova se aproximava, sem falar dos seus sumiços mensais. Remo era proibido de brincar com outras crianças, no caso de ele deixar escapar a verdade sobre sua condição. Por consequência, e apesar de seus pais amorosos, ele era um garoto muito sozinho.

Enquanto Remo era pequeno, sua contenção durante a transformação não foi difícil; um quarto trancado e vários feitiços silenciadores geralmente bastavam. Porém, à medida que ele crescia, seu ser lupino também crescia, e quando ele tinha dez anos, ele era capaz de derrubar as portas e esmagar as janelas. Feitiços ainda mais poderosos eram necessários para contê-lo e tanto Hope como Lyall ficaram magros com preocupação e medo. Eles amavam seu filho, mas sabiam que sua comunidade – já cercada por medo da crescente atividade das trevas ao redor deles – não seriam tolerantes com um lobisomem descontrolado. As esperanças que eles um dia tiveram do seu filho pareciam arruinadas, e Lyall educou Remo em casa, certo de que ele nunca seria capaz de pisar em uma escola.

Pouco antes do aniversário de onze anos de Remo, ninguém menos que Alvo Dumbledore, Diretor de Hogwarts, chegou sem ser convidado na porta dos Lupin. Nervosos e amedrontados, Lyall e Hope tentaram bloquear sua entrada, mas de alguma forma, cinco minutos depois, Dumbledore estava sentado perto da lareira, comendo bolinho e jogando Pedras Cuspideiras com Remo.

Dumbledore explicou aos Lupin que ele sabia o que tinha acontecido com seu filho. Greyback se gabava do que tinha feito e Dumbledore tinha espiões entre as criaturas das trevas. No entanto, Dumbledore disse aos Lupin que ele não via o porquê de Remo não ir à escola, e descreveu as preparações que ele fez para dar ao menino um lugar seguro e protegido para suas transformações. Devido ao preconceito generalizado em torno dos lobisomens, Dumbledore concordou que para a própria segurança de Remo sua condição não deveria ser divulgada. Uma vez por mês, ele partiria para uma casa segura e confortável na vila de Hogsmeade, guardada por vários feitiços e somente alcançada por uma passagem subterrânea nas terras de Hogwarts, onde ele poderia se transformar em paz.

Escola

Escolhido para a casa da Grifinória, Remo Lupin rapidamente fez amizade com dois meninos alegres, confidentes e rebeldes, Tiago Potter e Sirius Black. Eles foram atraídos pelo senso de humor tranquilo de Remo e uma bondade que eles admiravam, mesmo que eles mesmos nem sempre a possuíssem. Remo, sempre o amigo oprimido, foi gentil com o pequeno e meio lento Pedro Pettigrew, um colega da Grifinória, a quem Tiago e Sirius não teriam achado merecedor de sua atenção sem a persuasão de Remo. Logo, estes quatro se tornaram inseparáveis.

Remo funcionava como a consciência do grupo, mas era uma consciência ocasional e falha. Ele não aprovava o incansável bullying sobre o Severo Snape, mas ele amava tanto Tiago e Sirius, e era tão grato pela aceitação deles, que ele nem sempre os enfrentava tanto como ele sabia que deveria.

Inevitavelmente, seus três melhores amigos logo ficaram curiosos sobre o motivo de Remo ter que sumir uma vez por mês. Convencido pela sua infância solitária que seus amigos o abandonariam se soubessem que ele era um lobisomem, Remo inventava mentiras cada vez mais elaboradas para explicar suas ausências. Tiago e Sirius descobriram a verdade em seu segundo ano. Para o grande alívio de Remo, eles não só continuaram amigos como inventaram um método ingênuo de facilitar seu isolamento mensal. Eles também o deram um apelido que seguiriam com ele durante a escola: “Aluado”. Remo terminou sua carreira escolar como chefe de turma.

A Ordem da Fênix

Na época que os quatro amigos deixaram a escola, a ascendência de Lorde Voldemort estava quase completa. A verdadeira resistência a ele estava concentrada na organização secreta chamada A Ordem da Fênix, da qual os quatro jovens faziam parte.

A morte de Tiago Potter, junto com sua esposa Lílian, nas mãos de Lorde Voldemort, foi um dos eventos mais traumáticos da vida já problemática de Remo. Seus amigos eram mais importantes pra ele do que para outras pessoas, por que ele já tinha aceitado o fato de que a maioria das pessoas o trataria como intocável, e que não haveria a possibilidade de se casar e ter filhos. Ainda pior, dentro de vinte quatro horas ele tinha perdido também seus dois outros melhores amigos. Remo estava no norte do país a serviço da Ordem da Fênix quando ele ouviu a notícia horrível de que um deles assassinou o outro, e estava agora em Azkaban, um traidor para a Ordem e para os próprios Lílian e Tiago.

A queda de Voldemort, uma fonte de alegria para o resto da comunidade bruxa, marcou o início de um longo período de solidão e infelicidade para Remo. Ele perdeu seus três amigos próximos e, com a Ordem dissolvida, seus colegas anteriores retornaram para a vida ocupada com suas famílias. Sua mãe estava morta agora, e enquanto Lyall, seu pai, ficava sempre encantado ao ver seu filho, Remo se recusou a pôr em perigo a existência pacífica de seu pai se retornasse a morar com ele.

Remo vivia agora uma vida precária, arranjando trabalhos bem abaixo do seu nível de habilidade, sempre sabendo que ele teria que os deixar antes que seu padrão de passar mal uma vez por mês na lua cheia fosse notado pelos seus colegas de trabalho.

A Poção de Acônito

Um avanço da comunidade bruxa deu esperança à Remo: a descoberta da Poção de Acônito. Apesar dela não impedir um lobisomem de perder sua forma humana uma vez por mês, ela restringe sua transformação para um lobo normal e sonolento. Sempre foi o pior medo de Remo que ele pudesse matar enquanto estivesse fora de si. Entretanto, a Poção de Acônito era complexa e os ingredientes muito caros. Remo não tinha chance de fazê-la sem revelar o que ele era, então ele continuou com sua vida solitária e viajante.

Retorno à Hogwarts

Novamente, Alvo Dumbledore mudou o rumo da vida de Remo Lupin quando ele o localizou em uma casa arruinada e semi abandonada em Yorkshire. Encantado ao ver o Diretor, Remo se animou quando Dumbledore o ofereceu uma vaga para professor de Defesa Contra as Artes das Trevas. Ele só se convenceu a aceitar quando Dumbledore explicou que haveria um estoque ilimitado de Poção de Acônito, cortesia do Mestre em Poções, Severo Snape.

Em Hogwarts, Remo se revelou ser um professor talentoso, com um talento raro com sua própria matéria e uma profunda compreensão de seus alunos. Ele era, como sempre, particularmente oprimido, e ambos Neville Longbottom e Harry Potter aproveitaram de sua sabedoria e bondade.

Entretanto, o antigo defeito de Remo estava ativo. Ele tinha grandes suspeitas sobre um dos seus antigos amigos, um fugitivo conhecido, mas não as compartilhou com ninguém em Hogwarts. Seu desejo desesperado de pertencer e ser amado significava que ele não era nem tão corajoso nem tão honesto o quanto ele deveria ter sido.

Uma combinação infortuna de circunstâncias surgiu, o que resultou na transformação de Remo em um lobisomem verdadeiro nos terrenos da escola. O rancor de Severo Snape, que nunca diminuiu pelo subsequente comportamento educado de Remo, fez questão de que fosse amplamente divulgado o que o professor de Defesa Contra as Artes das Trevas era. Remo se sentiu obrigado a se demitir e sair de Hogwarts mais uma vez.

Casamento

Como Lorde Voldemort novamente vinha ascendendo, a antiga resistência se reagrupou e Remo se viu mais uma vez parte da Ordem da Fênix.

Desta vez, o grupo incluía uma auror que era muito nova para fazer parte da Ordem na sua primeira encarnação. Inteligente, corajosa e engraçada, Ninfadora Tonks do cabelo rosa era uma protegida de Alastor “Olho-Tonto” Moody, o auror mais resistente e velho de todos eles.

Remo, sempre melancólico e solitário, primeiro se divertiu, depois se impressionou, e então foi golpeado seriamente pela jovem bruxa. Ele nunca tinha se apaixonado antes. Se tivesse acontecido em tempos de paz, Remo teria simplesmente se retirado para um novo lugar e um novo trabalho, para que ele não tivesse que enfrentar a dor de ver Tonks se apaixonando por um bruxo bonito e jovem do escritório de Auror, que é o que ele achava que aconteceria. Porém, eram tempos de guerra; eles eram ambos necessários na Ordem da Fênix, e ninguém sabia o que o próximo dia traria. Remo se sentiu justificado em ficar exatamente onde ele estava, mantendo seus sentimentos para si, mas secretamente se alegrando quando alguém o colocava com Tonks em alguma missão noturna.

Nunca passou pela cabeça de Remo que Tonks pudesse corresponder aos seus sentimentos por que ele se acostumou em se considerar impuro e indigno. Uma noite quando eles estavam se escondendo fora da casa de um Comensal da Morte conhecido, depois de um ano de uma amizade cada vez mais forte, Tonks fez um comentário inútil sobre um dos seus companheiros da Ordem (“Ele ainda é bonito, não é, mesmo depois de Azkaban?”). Antes que ele pudesse se conter, Remo respondeu amargamente que ele achava que ela estava apaixonada pelo seu antigo amigo (“Ele sempre teve as mulheres.”). Com isso, Tonks ficou brava de repente. “Você saberia perfeitamente por quem eu estou apaixonada, se você não estivesse tão ocupado sentindo pena de si mesmo para notar.”

A resposta imediata de Remo foi uma felicidade que ele nunca sentiu na vida, mas isso desapareceu na hora com uma sensação esmagadora de obrigação. Ele sempre soube que ele não poderia se casar e correr o risco de transmitir sua condição dolorosa e vergonhosa. Ele, portanto, fingiu não entender a Tonks, que definitivamente não a enganou. Mais esperta que Remo, ela tinha certeza que ele a amava, mas ele estava recusando admitir isso por causa de uma nobreza equivocada. Entretanto, ele evitou qualquer outra viagem com ela, mal falou com ela, e começou a se voluntariar para as missões mais perigosas. Tonks se tornou extremamente infeliz, convencida não somente de que o homem que ela amava nunca mais estaria disposto a passar seu tempo com ela novamente, mas também que ele preferia morrer a assumir seus sentimentos.

Remo e Tonks juntos combateram Lorde Voldemort e seus Comensais da Morte no Departamento de Mistérios, uma batalha que resultou na exposição pública do retorno de Voldemort. A perda do último dos seus amigos de escola durante esta batalha não ajudou a amenizar a crescente atitude autodestrutiva de Remo. Tonks só podia assistir em desespero enquanto ele se voluntariava para espiar pela Ordem, partindo para viver entre outros lobisomens e tentando convencê-los a se juntar ao lado de Dumbledore. Ao fazer isso, ele estava se expondo para possíveis represálias do lobisomem que mudou sua vida para sempre, Fenrir Greyback.

Remo ficou frente a frente com ambos Greyback e Tonks em Hogwarts quase um ano depois, quando a Ordem confrontou com os Comensais da Morte dentro do castelo. Durante esta batalha, Remo perdeu outra pessoa que ele amava: Alvo Dumbledore. Dumbledore era adorado por todos os membros da Ordem da Fênix, mas para Remo, ele representou o tipo de bondade, tolerância e compreensão que ele não recebeu de ninguém no mundo exceto de seus pais e seus três melhores amigos, e ele foi o único homem a oferecer a ele uma posição dentro da sociedade normal dos bruxos.

Após a luta sangrenta, inspirada pelo discurso de amor eterno de Fleur Delacour para Bill Weasley, que foi atacado por Greyback, Tonks fez uma corajosa e pública declaração dos seus sentimentos por Remo, que foi forçado a admitir a força de seu amor por ela. Apesar do contínuo receio de que ele estava agindo de forma egoísta, Remo se casou com Tonks discretamente no norte da Escócia, com testemunhas tiradas da taverna local de bruxos. Ele ainda temia que o estigma ligado a ele infectasse sua esposa e não quis muito alarde em torno de sua união; ele alternava constantemente entre a euforia de ter se casado com a mulher dos seus sonhos e o terror do que ele poderia trazer sobre ambos.

Paternidade

Dentro de poucas semanas do seu casamento, Remo percebeu que Tonks estava grávida e todo o medo que ele tinha veio à tona. Ele estava convencido que ele havia passado sua situação para uma criança inocente e que ele havia condenado Tonks a mesma vida que sua mãe, sempre se mudando, incapaz de se estabelecer, tendo que esconder seu filho cada vez mais violento da vista dos outros. Cheio de remorso e auto recriminação, Remo fugiu, deixando Tonks grávida, procurando por Harry e se oferecendo para acompanhá-lo em qualquer aventura que surgisse que desafiasse a morte.

Para o choque e descontentamento de Remo, o Harry com dezessete anos não só recusou sua oferta, mas também ficou furioso e se sentiu insultado. Ele disse ao seu ex-professor que ele estava sendo egoísta e irresponsável. Remo respondeu com uma violência incomum e saiu da casa, refugiando-se em um canto do Caldeirão Furado, onde ele se sentou bebendo e fumando.

No entanto, após algumas horas de reflexão, Remo foi forçado a aceitar que seu ex-aluno tinha acabado de ensiná-lo uma lição valiosa. Tiago e Lílian, Remo pensou, estavam juntos de Harry até que isso os tenha levado à sua própria morte. Seus próprios pais, Lyall e Hope, sacrificaram sua paz e segurança para manter a família junta. Amargamente envergonhado, Remo deixou a pousada e retornou para sua esposa, onde ele implorou pelo perdão dela e jurou que, aconteça o que acontecer, ele nunca mais a deixaria novamente. Pelo resto da gravidez de Tonks, Remo evitou missões para a Ordem da Fênix e fez de sua primeira prioridade proteger sua esposa e seu filho.

O filho dos Lupin, Ted Remo (‘Teddy’), recebeu o nome do sogro de Remo recém-falecido. Para o alívio e alegria de ambos os pais, ele não mostrou nenhum sinal de licantropia quando nasceu, mas herdou a habilidade de sua mãe de mudar sua aparência quando quisesse. Na noite do nascimento de Teddy, Remo brevemente deixou Tonks e seu filho à cargo de sua sogra, para que ele pudesse ir e encontrar Harry pela primeira vez depois de se enfrentarem furiosamente. Lá, ele pediu a Harry que ele fosse o padrinho de Teddy, não sentindo nada além de perdão e gratidão para com a pessoa que o mandou para casa com a família que o deu sua maior felicidade.

Morte

Remo e Tonks retornaram a Hogwarts para a batalha final contra Voldemort, deixando seu pequeno filho aos cuidados da avó dele. O casal sabia que se Voldemort ganhasse esta batalha, sua família certamente seria eliminada: ambos eram membros conhecidos da Ordem da Fênix, Tonks era uma mulher marcada aos olhos de sua tia Comensal da Morte, Bellatrix Lestrange, e seu filho era a verdadeira antítese de um puro sangue, tendo muitos parentes trouxas e um traço de lobisomem.

Tendo sobrevivido a vários encontros com os Comensais da Morte e abrindo caminhos com muita habilidade e coragem por entre várias curvas apertadas, Remo Lupin teve seu fim nas mãos de Antônio Dolohov, um dos mais antigos, dedicados e sádicos Comensais da Morte de Voldemort. Remo não estava mais em condições primárias de luta quando ele correu para se juntar à luta. Meses de inatividade, utilizando principalmente feitiços de ocultação e proteção, atenuaram suas capacidades de duelar, e quando ele foi contra um duelista com a destreza de Dolohov, agora endurecido pela batalha depois de meses matando e mutilando, suas reações foram muito lentas.

Remo Lupin foi premiado postumamente com a Ordem de Merlim, Primeira Classe, o primeiro lobisomem a receber esta honra. O exemplo de sua vida e morte contribuiu bastante para elevar o estigma sobre os lobisomens. Ele nunca foi esquecido por ninguém que o conheceu: um homem corajoso e gentil que fez o melhor que podia em várias circunstancias difíceis e que ajudou muito mais do que ele jamais tenha percebido.

Remo Lupin era um dos meus personagens favoritos de toda a série Potter. Eu me permiti chorar mais uma vez ao escrever este artigo, por que eu odiei mata-lo.

A condição de licantropia (ser um lobisomem) de Lupin foi uma metáfora para aquelas doenças que carregam um estigma, como HIV e AIDS. Todos os tipos de superstições parecem rodear doenças transmitidas pelo sangue, provavelmente devido a tabus que cercam o próprio sangue. A comunidade bruxa é tão propensa à histeria e preconceito quanto a comunidade trouxa, e o personagem de Lupin me deu a oportunidade de analisar estas atitudes.

O patrono de Remo nunca foi revelado nos livros de Potter, embora seja ele quem ensina a Harry a difícil e incomum arte de produzir um. É, na verdade, um lobo – um lobo normal, não um lobisomem. Lobos são orientados à família e não agressivos, mas Remo não gosta da forma de seu patrono, que é um lembrete constante de seu sofrimento. Tudo lupino o desagrada, e ele frequentemente produz um patrono não corporal intencionalmente, especialmente quando outros estão vendo.

Traduzido por: Bruna Lopes em 19/08/2013.
Revisado por: Aline Michel em 19/08/2013.
Postado por: Daniel Mählmann em 30/08/2013.